Últimas notícias da VTM

Paralisia de Bell, você sabe o que é isso?

Nascido George Timothy Clooney, em 6 de maio de 1961, na cidade de Lexington, Kentucky, foi ganhador de um Oscar como Melhor Ator Coadjuvante pelo papel de Bob Barnes em “Syriana – A Indústria do Petróleo”. Apesar dessa consagração, ainda no ensino médio, George desenvolveu uma paralisia facial, chamada Paralisia de Bell. Apesar do susto, logo se recuperou.

Mas você sabe o que é Paralisia de Bell?

A Paralisia de Bell, também chamada de paralisia facial periférica, do tipo idiopático, é um acometimento agudo do sétimo nervo craniano que resulta em paralisia completa ou parcial da mímica facial. Podem estar associados distúrbios da gustação, salivação e lacrimejamento, além de hiperacusia desagradável, dor e hipoestesia. Estima-se que a incidência da paralisia de Bell seja de 20-30 casos por 100 mil habitantes, com prevalência ligeiramente maior entre as mulheres. É rara antes dos 10 anos de idade e sua incidência é bimodal com picos na terceira e oitava décadas de vida.

Como fatores de risco para a paralisia de Bell têm sido relatados: hipertensão arterial, diabetes, gravidez e a infecção pelo vírus herpes tipo I. Embora seja comum uma piora do quadro nas primeiras 48 horas, a maioria dos pacientes evolui para a recuperação dentro de algumas semanas. Apesar da síndrome da paralisia facial periférica ter sido descrita em 1821, pelo senhor Charles Bell, ainda hoje existe muita controvérsia a respeito da etiologia e tratamento.

Por isso, o tratamento da paralisia facial visa recuperar a simetria estática e dinâmica, seriamente afetada em portadores desta patologia e isso é complexo. Após a fase aguda, a toxina botulínica (o Botox) oferece a possibilidade de provocar inibição muscular química reversível e, dessa forma, pode ser utilizada como meio terapêutico, inclusive para tratar a hipertonia da face que resulta da anastomose entre os nervos. Além disso, pode melhorar consideravelmente a assimetria, o que mostra um houve grau elevado de satisfação com o tratamento, relatado pelos pacientes.

Compartilhe este post:Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Email this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *