SERVIÇOS
ImagensVTM_Botox
Botox para tratamento de doenças neurológicas

Os bloqueios químicos causados pela toxina botulínica são usados para o tratamento da espasticidade (rigidez muscular) e distonia, ocasionados por diversas patologias como a paralisia cerebral, doenças vasculares (AVC), distúrbios do movimento, traumas cranioencefálico (TCE) e lesões medulares. Atualmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) liberou seu uso a pacientes que sofrem de enxaqueca refratária ao esquema medicamentoso convencional. Seu uso é seguro e com efeitos unicamente motores. Ela pode ser usada como modalidade terapêutica isolada ou pode ter o uso associado a outros tratamentos.

ImagensVTM_PotenciaisEvocados
Potenciais Evocados Somato-Sensitivos

Os potenciais evocados são um conjunto de testes neurofisiológicos do sistema nervoso que possibilita avaliar funcionalmente as vias nervosas do Sistema Nervoso Central e Periférico. Os potenciais evocados somatossensitivos (PESS) avaliam a transmissão nervosa dos impulsos nas vias somatossensitivas dos membros superiores e inferiores até ao cérebro. Podem ser usados para diagnosticar lesões ao nível das raízes nervosas, medula e encéfalo. Os PESS podem ser utilizados para distinguir patologia central versus periférica, quando combinados com o estudo de eletroneuromiografia. Os médicos solicitam esse exame muito frequentemente para o diagnóstico de esclerose múltipla, avaliação pré-cirúrgica de hérnia discal, estenose de canal medular, ataxia de marcha (falta de coordenação ao andar), etc. Para os PESS, são aplicados pequenos choques sobre os nervos dos membros a serem investigados e a captação pode ser na cabeça /córtex, no plexo, na região cervical, lombar.

Potenciais Evocados Motores (PEM)
É uma técnica para avaliar a função do trato piramidal através da estimulação magnética da área motora e registro da resposta muscular. É uma técnica indolor, muito útil nos casos em que há dúvida se há lesão do primeiro neurônio motor, principalmente nos casos em que há suspeita de esclerose lateral amiotrófica (ELA).

Orientações ao Paciente