7 hábitos para aliviar a depressão de final de ano

O final do ano chegou, e com eles as comemorações de Natal e Ano Novo. Para quem está passando por algum momento difícil, sem dúvida o clima festivo e familiar está longe de ser agradável. Expectativas não concretizadas, problemas financeiros e ausência de pessoas queridas são alguns dos problemas que ganham uma dimensão ainda maior nessa época do ano, e podem intensificar os sentimentos de tristeza, desânimo e decepção.

Considerados comuns e até mesmo saudáveis na elaboração de perdas e sofrimentos ocasionais, sentimentos assim pedem uma maior atenção quando prolongados e associados à apatia, indiferença, falta de perspectiva e prazer. Esses podem ser os primeiros sinais de uma depressão.

Estigma da depressão

E nunca tanta gente esteve com depressão como nos dias de hoje. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 10% da população sofre com a doença, o que significa mais ou menos 350 milhões de pessoas em todo o mundo.

Além da dificuldade de um diagnóstico preciso e do medo e da vergonha em buscar ajuda, outro obstáculo enfrentado pelos pacientes é entender – e fazer com que os outros entendam – que a depressão não se trata de uma frescura ou só uma fase difícil, mas sim de uma doença complexa que pede atenção, cuidado e acompanhamento médico frequente.

Alívio nos sintomas

Para pessoas que já possuem uma tendência ao processo depressivo, o clima reflexivo de final de ano pode ser ainda mais nocivo. Ao pensar no que não conseguiram realizar durante esse período, deixam fluir com intensidade os sentimentos de desânimo, apatia e tristeza.

Embora não seja fácil, é possível evitar entrar nesse quadro depressivo ou reverter os sentimentos de mal-estar com algumas atitudes importantes. Confira:

– Mude o foco. Quando estamos tristes, a maioria de nós é incapaz de considerar que existe mais de uma alternativa possível. Mas, nos dias em que estamos felizes e otimistas, confiamos em nossa capacidade e a mente se abre para enxergar diferentes pontos de vista. Mude sua forma de interpretar e priorizar as informações.

– Divida suas tristezas e angústias. Se está lidando com algo pesado, talvez seja o momento de conversar com alguém próximo. Isso não é fraqueza, só mostra que você é humano e está refletindo sobre um momento importante da sua vida.

– Esqueça a perfeição. Todo mundo já teve a sensação de que as 24 horas do dia não são suficientes para cumprir todos os compromissos. E, muitas vezes, esse sentimento surge da dificuldade de estabelecer metas compatíveis à capacidade de execução. Faça listas e defina as suas prioridades! Não tente fazer tudo ao mesmo tempo ou sozinho.

– Enumere suas conquistas. Observe tudo que conseguiu até hoje e tente balancear os pontos positivos e negativos do ano que passou. Não se cobre tanto.

– Pratique atividades físicas. Ao se exercitar, o organismo libera endorfina, serotonina e dopamina, neurotransmissores responsáveis pela sensação de prazer e bem estar. Como consequência, trazem melhoras importantes no humor, na motivação e na autoestima dos pacientes.

– Controle o consumo de álcool nas festas. Na tentativa de aliviar a angústia, muita gente exagera na bebida. Mas, quando o efeito vai embora, o sentimento de tristeza volta ainda mais forte. Isso inicia um ciclo perigoso, que pode levar ao abuso e vício em substâncias.

– Seu amigo está em um processo depressivo? Busque toda a informação possível. Conhecendo claramente os sintomas, você tem muito mais ferramentas para apoiar uma pessoa que está sofrendo.

 #saudemental #saude#saudeemocional #bemestar #vtmneurodiagnostico #ansiedade #depressao #compulsao #toc #transtornoobsessivocompulsivo #saudemental #saude #vida #qualidadedevida #panico #sindromedopanico #bipolar #bordeline #transtornomental #estimulacaomagneticatranscraniana #estimulacaoneurologica #estimulacaocognitiva #estimulacaoporcorrentecontinua #tratamentodepressao #antidepressivo #dravanessamuller

Deixe uma resposta