Últimas notícias da VTM

pessoa com eplepsia

Como a estimulação magnética ajuda no tratamento da epilepsia

No mundo, cerca de 50 milhões de pessoas sofrem com a epilepsia, doença complexa, que ainda não tem origem, nem cura definidas.

Como na maioria dos casos envolvendo pacientes com distúrbios neurológicos, a dificuldade no diagnóstico é ainda uma barreira persistente aos pacientes com epilepsia. Mas, com a identificação correta do problema e tratamento adequado, eles podem e devem levar uma rotina normal, sem limitações a sua qualidade de vida!

Epilepsia e o canabidiol

Diversos estudos têm demonstrado o potencial do canabidiol na diminuição da frequência de crises convulsivas entre pacientes com epilepsia. Assim, desde março de 2016, a Anvisa autorizou a prescrição e a importação de medicamentos e produtos à base da substância no país.

Avanços nesse sentido são fundamentais na medicina, principalmente se lembrarmos que hoje, no Brasil, 600 mil crianças são portadoras de epilepsia grave, e não respondem mais ao uso dos anticonvulsivantes tradicionais.

Nesse sentido, uma nova intervenção surge também como um complemento eficaz no alicia dos sintomas da doença: a estimulação magnética transcraniana (EMT).

Além de trazer menos efeitos colaterais, a técnica tem resultados positivos, com boa melhora na incidência das crises epilépticas. O método é também seguro, o que é fundamental na busca por novas alternativas médicas.

Conheça a estimulação magnética transcraniana

Por meio da variação de um campo magnético, a técnica inibe as regiões do cérebro associadas aos episódios epilépticos. Ao modificar e equilibrar essas áreas, ela promove a diminuição da atividade neuronal, organizando as atividades cerebrais e ajudando a reduzir a frequência das crises.

No Brasil, a estimulação magnética é liberada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde 2006 e recomendada pelo Conselho Federal de Medicina para o tratamento de depressão e esquizofrenia desde 2012. Além disso, sua utilidade terapêutica para outros distúrbios neurológicos, como a epilepsia, já vem sendo apontada em diversos artigos e pesquisas.

Indicações e contraindicações da EMT

– É um método indolor e não invasivo, que pode ser realizado no próprio consultório médico, sem necessidade de anestesia ou internação.

– É reservada para casos em que a medicação não surte efeito ou que o uso dos medicamentos provoca grande efeito colateral.

– Quase ausência de efeitos colaterais. Extremamente segura, não traz danos ou toxicidade aos órgãos, como medicamentos podem causar.

– Pessoas com dispositivos eletrônicos ou metálicos na cabeça, principalmente implante coclear, não devem fazer as sessões. O campo magnético pode de alguma forma interferir no funcionamento do aparelho.

Compartilhe este post:Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Email this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *