Últimas notícias da VTM

aprendendo novo idioma

5 razões científicas para aprender um novo idioma

Além de trazer benefícios cognitivos, aprender um novo idioma ajuda a retardar doenças neurodegenerativa, como o Alzheimer

Que tal começar 2018 promovendo uma mudança prazerosa na sua vida? Além de abrir os horizontes para uma nova cultura, aprender um novo idioma ajuda no desenvolvimento da memória, na habilidade de tomar decisões mais rápidas e no atraso de algumas doenças neurodegenerativa, como o Alzheimer.

Pesquisas científicas recentes também confirmam os benefícios cognitivos de estudar um novo idioma: durante o processo, novas sinapses cerebrais são criadas e, por isso, quem aprende uma nova língua acaba tendo mais facilidade em aprender outras.

Ficou interessado? Descubra outros motivos pelos quais você deve aprender um novo idioma em 2018!

Fazer novas amizades

Você poderá conhecer pessoas de várias partes do mundo e, graças às redes sociais, manter contato com seus novos amigos será muito mais fácil.

Reduzir o risco de Alzheimer e demência

Estudos recentes demonstram que, para adultos que só falam uma língua, a idade média para os primeiros sinais de demência começarem a se manifestar é 71,4. Entre adultos que falam duas ou mais línguas, os sintomas só começam aos 75,5.

Desenvolver melhor suas habilidades multitarefa

Pessoas que falam mais de um idioma deslocam com mais facilidade a atenção entre dois sistemas diferentes – o da fala e o da escrita. Assim, desenvolvem bem a capacidade de conciliar várias tarefas ao mesmo tempo.

Melhorar a capacidade de tomar decisões 

O ato de raciocinar em outro idioma ajuda a melhorar o processo de tomada de decisão. Ao usar uma língua estrangeira, as decisões passam a ser mais rápidas, sistemáticas e menos baseadas em fatores negativos.

Ver o mundo com outros olhos

Aprender um novo idioma ajuda a experimentar novos costumes e culturas. Logo você começa a entender que não existem melhores ou piores, apenas diferentes – mas, ainda assim, todos muito ricos!

Um bom exemplo é o humor, criado a partir da bagagem cultural específica de cada língua. Ou seja, mesmo fluente em um idioma estrangeiro, pode ser que um brasileiro se comporte de maneira mais introvertida ao falar em inglês. Isso porque, não necessariamente o que é engraçado no Brasil, também o é nos Estados Unidos.

Compartilhe este post:Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Email this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *