Transtorno da Personalidade Borderline e o Cérebro: Tratamentos Inovadores
Transtorno de Personalidade Borderline - Funcões Cerebrais e Tratamento. VTM Neurodiagnóstico - Tratamentos e Diagnósticos em Neurologia e Saúde Mental

Transtorno da Personalidade Borderline e o Cérebro: Tratamentos Inovadores

O transtorno de personalidade borderline mostra um padrão generalizado de instabilidade e hipersensibilidade em relacionamentos interpessoais. Esse problema de Saúde Mental apresenta como sintoma a instabilidade na autoimagem, flutuações extremas de humor e impulsividade. O diagnóstico é por critérios clínicos. Porém, o que faz um cérebro para ser Borderline e como poderia ser realizado o tratamento? Nas últimas duas décadas, especialistas vêm tentando descobrir. O velho ditado sobre duas pessoas estarem em diferentes comprimentos de onda parece ser verdade, com as ressonâncias magnéticas revelando diferenças gritantes entre cérebros saudáveis e cérebros de indivíduos com Personalidade Borderline. O diagrama na figura é um exemplo disso, na esquerda tem um cérebro de alguém com Síndrome Borderline e o da direita é um cérebro saudável. As ativações de calor mostram a base neurológica de uma condição de saúde mental grave, mas muito comum.

Transtorno Borderline e o Cérebro: Amígdala


A parte primitiva do cérebro que regula o medo e a agressão. Na população em geral, é uma ferramenta vital para a sobrevivência; mesmo nas cidades confortáveis, seguras e mecânicas da modernidade, as emoções podem salvar vidas. Contudo, as varreduras do cérebro mostraram que as pessoas com Síndrome Borderline têm amígdalas visivelmente menores que a população em geral e podem até sofrer atrofia. Quanto menor a amígdala, mais hiperativa.
Isso significa que quando as pessoas com Transtorno da Personalidade Borderline experimentam uma emoção, elas o fazem com mais intensidade do que a população em geral, e o período de “esfriamento” leva muito mais tempo.


Transtorno Borderline e o Cérebro: Hipocampo


Latim para ‘cavalo-marinho’, o hipocampo é um par de tubos em forma de cavalo-marinho localizados nos hemisférios esquerdo e direito do cérebro. Associado à memória de longo e curto prazo, orientação espacial e reações emocionais mais importantes, é o processador de dados do corpo. Isso significa que, quando um evento ambiental é retransmitido através do córtex visual, o hipocampo decide a resposta emocional correta. Abordagem ou evitação.
Para pessoas com Transtorno da Personalidade Borderline, o hipocampo está em um estado de hiper-excitação contínua. Descoordenado e disfuncional, ele sempre interpreta mal as ameaças e transmite mensagens defeituosas de volta à amígdala.
Isso significa que as pessoas com esse transtorno têm mais probabilidade de encontrar outras pessoas, e o mundo ao seu redor, como ameaçador, quando isso pode muito bem não ser a intenção ou a realidade.

Transtorno Borderline e o Cérebro: Eixo hipotálamo-hipófise-adrenal.


Um nome complexo para três glândulas interconectadas: o hipotálamo, a hipófise e a glândula adrenal interagem entre si. Especialmente no gerenciamento das pressões da vida cotidiana e na manutenção da homeostase.
O ‘eixo adrenal hipotalâmico-hipófise’ é o principal responsável pela produção de cortisol no corpo. O cortisol é um produto químico natural liberado durante períodos de estresse. Estudos mostraram que pessoas com DBP apresentam níveis anormais de cortisol na corrente sanguínea.
Muita produção de cortisol significa que os níveis de estresse na vida diária são sempre esmagadores. Psicologicamente, a resiliência e as habilidades de enfrentamento são prejudicadas; quimicamente, o corpo está sobrecarregado.

Transtorno Borderline e o Cérebro: Córtex pré-frontal


O córtex pré-frontal é o pináculo da evolução humana, não apenas porque é responsável pela razão, racionalidade e tomada de decisão, mas porque também inibe nossa natureza primordial.
Pessoas com esse transtorno têm córtex pré-frontal que é inativo e ineficiente. Esta é uma das razões para alguns dos sintomas característicos da doencá Borderline, incluindo a impulsividade.
Como Francisco Goya disse, o ‘sono da razão gera monstros’ e, com um córtex pré-frontal adormecido, indivíduos com Transtorno de Personalidade Borderline se vêem assaltados por emoções, que nos fazem sentir fora de controle.

Transtorno Borderline e o Cérebro: Curiosidades


É claro que isso parece um negócio bruto para alguém que sofre de Transtorno da Personalidade Borderline: afinal, somos estigmatizados com rótulos pejorativos, pois é sem a necessidade de empobrecimento mental adicionado. Mas aqui está a reviravolta: estima-se que a herdabilidade do Transtorno da Personalidade Borderline seja de 40 a 60%; no entanto, 70% dos portadores de Bordeline sofreram algum tipo de trauma na infância; abuso sexual, físico ou emocional.
Resta saber se anormalidades estruturais no cérebro limítrofe são a causa da doença ou uma consequência de trauma. Uma impressão indelével em nosso cérebro de sofrimento.
Para dar apenas um exemplo de por que é viável, o cérebro é “ferido” por trauma, está no cortisol químico. Como já vimos, o cortisol é liberado em resposta ao estresse; e, por isso, o estresse extremo, especialmente experimentado na infância e por longos períodos de tempo, levará a níveis anormais de produção. Além disso: A razão para a atrofia da amígdala e do hipocampo, e do córtex pré-frontal, é porque altos níveis de cortisol corroeram partes dela.
Esta é a ironia cruel, o cérebro é um espelho da vida e, se o cortisol corroeu quimicamente os ativos mais valiosos da mente, isso ocorre porque o estresse corroeu os aspectos centrais de nossas vidas.
Para abordar essas descobertas surpreendentes sobre o cérebro, precisamos reconhecer a natureza dos rótulos. Que a Síndrome Borderline não é um estado de crepúsculo entre sanidade e insanidade, mas uma mente que foi desgastada por trauma de desenvolvimento e que precisa de tratamento.

Tratamentos para pacientes Borderlines

O Transtorno de Personalidade Borderline demanda diferentes cuidados, conforme cada perfil de paciente. Em alguns momentos, exsite necessidade de medicamentos estabilizadores de humor, em outros, de antidepressivos, ansiolíticos ou até antipsicóticos. A psicoterapia pode ser uma importante aliada. Outros tratamentos modernos também podem reduzir a necessidade de medicamentos e, consequentemente, de seus efeitos colaterais.

A estimulação magnética transcraniana repetitiva (EMTr) é uma técnica capaz de induzir não invasivamente correntes elétricas em regiões corticais. Tem um grande potencial, tanto como uma ferramenta diagnóstica como terapêutica, em transtornos neuropsiquiátricos, tais
como a Síndrome Borderline. De acordo com médicos especialistas, essa doença não tem cura, mas com diagnóstico e tratamento corretos, boa adesão do paciente e colaboração da família, o transtorno pode ser controlado, melhorando o bem-estar e a qualidade de vida.

Neurofeedback (NFB), também denominado neuromodulação autorregulatória, neuroterapia, neurobiofeedback ou EEG biofeedback, é um tipo de biofeedback que utiliza métodos diversos, como o da eletroencefalografia (EEG), exibidos em tempo real, a fim de monitorar a atividade cerebral,  geralmente com o objetivo de controlar a atividade do sistema nervoso central. No caso da eletroencefalografia são colocados sensores em diversos pontos na cabeça do paciente para medir a atividade cerebral, exibindo medições usando monitores de vídeo ou de som. O neurofeedback baseia-se no registo e análise automática da atividade elétrica do cérebro, com um considerável número de aplicações, com excelentes resultados

Para saber mais sobre a pesquisa em ativação cerebral e Transtorno de Personalidade – https://medium.com/invisible-illness/its-all-in-your-head-borderline-personality-disorder-and-the-brain-c14b66eb0966

#borderline #transtornodepersonalidade #depressao #impulso #síndromeborderline #saúdemental #neurologia #psiquiatria

Deixe uma resposta